quinta-feira, abril 03, 2008

Do caminho sem fim a chegada tardia.



Esqueçam todo esse papo de elevação da auto-estima de que o importante é o caminho. Nada disso, o importante mesmo é chegar, é o destino, é aquele lugar que sonhamos, ficamos noites em claro pensando como conseguiríamos e o que faríamos para chegar lá.

O caminho? Ah, este é tortuoso, doloroso e chato. Tá, ele pode e deve ser agradável também, pelo menos vez por outra pra dar um animozinho pra continuar caminhando e tal, mas não se iluda achando que vai ser sempre assim. Sério, nunca é, e o bom mesmo é chegar. Mas onde?

Às vezes nem se sabe onde chegar, mas o querer é maior que tudo. Em casa, na rua, na praia, no trabalho, no próximo ano, nos braços de alguém e por aí vai.

Eu, por exemplo, tô nessa de querer chegar, sem saber onde, nem quando, mas querer eu quero. Quero chegar e chegar logo. Quero que chegue o amanhã, o mês que vem, o ano que vem.., quem sabe com o futuro chegando não descubro onde é meu ponto de chegada? Até porque o ponto de partida já foi dado há muito tempo e eu to mesmo é cheia desse mesmo caminho sem fim, cheia de não chegar e ver os outros chegando e de não saber, nem mesmo vislumbrar a minha Pasargada. Quero mesmo é um caminho novo, onde tudo seja novidade, mas sei que antes tenho que chegar no fim desse.

Então, por hora, continuo aqui, olhando pros lados antes de atravessar a rua, olhando pra cima esperando ter uma lâmpada acesa e olhando pro espelho para um dia, espero não muito longe do de hoje, ele me diga aos berros: Cheguei!

4 comentários:

Páua disse...

concordo com vc, esse blá blá blá de caminho é um pé no saco, a gente quer mesmo é chegar, conseguir, alcançar e ponto. mandar as mesmas coisas, toda essa rotina que faz parte desse caminho pro inferno...


mas nunca é fácil, nunca é.
=*

Taninha disse...

Aliciaaaaaaaaaaaaaaaa!!!! \o/

Menina! Quanto tempo!
xD

Legal demais tu achar meu blog, assim tu me add, eu te add, e a gente se vê virtualmente além dos muros orkutianos!

Quanto ao texto, que loucura hein? Tava te lendo e lembrando exatamente do dia em que pela primeira vez lí "O Mundo de Sofia".

Mas voltando ao assunto...não sei se é por comodismo, preguiça, ou se a minha concepção religiosa fala mais alto, mas me sinto (e quando não, procuro me sentir) bem diferente do que vc relatou. Pelo simples fato de não gostar de ansiedade, agonia ou qualquer outra coisa que me faça sentir que sou "incapaz" de conseguir (não sei pq mas eu sempre penso no pior primeiro, por isso o sentimento de "incapaz" vem antes do "querer chegar lá").

Se eu estivesse na frente deste espelho, com certeza eu o quebraria ou iria apontar pra minha cara e soltar aquele grito moleque: "yyyyeeeeeeeeooooowww..nem conseguiu!!!! kkkkkkkkkk!!!"

Eu sei, sou estranha... coisa de autista. oauehaouehae!

Mas a verdade é que depois que comecei a ler sobre Budismo, e também depois que perdí a minha mãe, parentes e alguns amigos de forma trágica, ví o quanto me isolo nos meus pensamentos e o quanto isso me fazia sentir sozinha. E para pôr um fim nisso, fiz a única coisa que eu tinha certeza que poderia conseguir:

"Lembrar pouco do antes. E principalmente, aproveitar mais o durante, do que pensar em como será o fim"

=*

Eita comentário grande.. aaff..
vou deixar os outros comentarem agora.

kkkkkkkkk!!!
xD


bjo!

renz disse...

traçar objetivos e dps fincar a bandeira! xD
amei os beatles em lego. =]

dits-dits-dits disse...

Pra chegar tem que ter um passo a frente..e outro..e outro..mesmo sem saber direito onde se quer chegar, pq äs vezes,só se descobre isso bem no meio do caminho :)
Beiijo o\